RADIO MAIS TOCADAS BY ARIEL RÁDIO CLÁSSICAS BY ARIEL Programação feita especialmente para você
Conecte-se Conosco

Notícias e Comentários do Locutor de Rádio

Ar da região mais poluída do mundo está associado a perdas de bebês

Postado

em

Mulheres grávidas no sul da Ásia que foram expostas à poluição do ar têm mais risco de sofrer uma perda da gravidez, um aborto espontâneo ou ter um filho natimorto, de acordo com um novo estudo.

Pesquisadores descobriram que cerca de 349.681 perdas de bebês a cada ano na Índia, Bangladesh e Paquistão estavam associadas à má qualidade do ar.

Publicado na revista “Lancet Planetary Health” na quarta-feira (6), o estudo sugere que, se esses países cumprissem o padrão de qualidade do ar da Índia, 7% das perdas poderiam ter sido evitadas.

O ar poluído já havia sido associado ao aumento no número de abortos espontâneos, partos prematuros e crianças com baixo peso ao nascer, como resultado dos efeitos da poluição na mãe. Outra pesquisa descobriu que a poluição pode romper a placenta da mãe e potencialmente atingir os fetos no útero.

No entanto, acredita-se que esse estudo seja o primeiro do tipo a quantificar o efeito da poluição ambiental nas perdas de bebês no Sul da Ásia, uma das regiões mais poluídas da Terra. Os autores afirmam que suas descobertas são importantes para melhorar a saúde pública e a saúde materna, especialmente em países de baixa renda.

“O Sul da Ásia tem o maior número global de perdas de gravidez e é uma das regiões mais poluídas por PM2.5 (material particulado fino) do mundo. Nossas descobertas sugerem que a má qualidade do ar pode ser responsável por uma quantidade considerável de perdas de gravidez na região, fornecendo mais justificativas para ações urgentes a fim de combater os níveis perigosos de poluição”, disse o autor principal do estudo, o doutor Tao Xue, professor adjunto da Universidade de Pequim, China.

O PM2.5 ou material particulado fino pode penetrar profundamente nos pulmões quando inalado e entrar na corrente sanguínea. Compostas de poeira, sujeira, fuligem ou fumaça, as partículas têm origem em canteiros de obras, ruas não pavimentadas, campos, chaminés ou incêndios e podem conter diferentes produtos químicos. A maioria das partículas é uma mistura de poluentes de emissões de usinas elétricas, fábricas e veículos.

A exposição a essas partículas têm sido associada a distúrbios pulmonares e cardiovasculares e pode prejudicar as funções cognitivas e imunológicas.

Os pesquisadores se concentraram nessas minúsculas partículas de poluição e descobriram que, entre 2000 e 2016, 7,1% das perdas de gravidez no Sul da Ásia foram atribuídas a mães expostas a uma poluição do ar que excedeu o padrão atual de qualidade do ar da Índia, de 40 microgramas por metro cúbico de ar.

Ainda segundo o estudo, por conta da poluição do ar acima das diretrizes de qualidade do ar da Organização Mundial da Saúde, que recomenda 10 microgramas por metro cúbico de ar, a exposição pode ter contribuído para 29% das perdas de gravidez.

Segundo o estado, mulheres grávidas mais velhas ou de áreas rurais corriam maior risco do que mães jovens de áreas urbanas. A perda de gravidez associada à poluição do ar era mais comum na região das planícies do norte da Índia e do Paquistão.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores analisaram dados de pesquisas domiciliares sobre saúde de 1998 a 2016, e estimaram a exposição à poluição durante a gravidez com a ajuda de satélites. Eles então criaram um modelo que examinou como a exposição à poluição aumentava o risco de uma mulher perder o bebê, considerando a idade materna, temperatura e umidade, variação sazonal e tendências de longo prazo em perdas de gravidez.

O estudo avaliou 34.197 mulheres que tiveram a gravidez interrompida, incluindo 27.480 abortos espontâneos e 6.717 natimortos. Das perdas, 77% eram da Índia, 12% do Paquistão e 11% de Bangladesh.

Os autores disseram que a pior qualidade do ar pode aumentar o número de perdas de gravidez em países de baixa e média renda, portanto, diminuir os níveis de poluição poderia reduzir a quantidade de abortos espontâneos e natimortos, e ainda levar a melhorias na igualdade de gênero.

“Sabemos que perder uma gravidez pode ter efeitos mentais, físicos e econômicos sobre as mulheres, incluindo o aumento do risco de transtornos depressivos pós-parto, mortalidade infantil durante a gravidez subsequente e aumento dos custos relacionados à gravidez, como a perda de trabalho”, disse o coautor Dr. Tianjia Guan, da Academia Chinesa de Ciências Médicas e do Peking Union Medical College.

O estudo alerta que mais pesquisas são necessárias para estabelecer a causalidade entre a poluição e a perda de gravidez, já que os dados da pesquisa estão sujeitos ao viés de memória. Os pesquisadores também não conseguiram estabelecer uma diferença entre perdas naturais de gravidez e aborto intencionais, e observaram que houve subnotificação de perdas naturais de gravidez devido a estigma ou por ignorar abortos espontâneos precoces.

O ar poluído é um grande risco ambiental para a saúde. A OMS afirma que 4,2 milhões de pessoas morrem a cada ano devido a derrames, doenças cardiovasculares, câncer de pulmão e doenças respiratórias agudas e crônicas ligadas à poluição do ar.

*CNN

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias e Comentários do Locutor de Rádio

Dos 10 maiores municípios do RS, sete projetam queda ou estagnação da arrecadação em 2021 devido à crise

Postado

em

Com a crise do coronavírus longe de ser superada e a demanda por serviços públicos cada vez maior, as prefeituras vivem momentos de apreensão e de expectativa. Entre os 10 maiores municípios do Rio Grande do Sul, sete projetam queda na arrecadação ou trabalham com a perspectiva de manutenção de valores, contando apenas com a reposição da inflação.

Os casos mais críticos envolvem Rio Grande, Viamão e Canoas. Em Rio Grande, a previsão é de 17% de redução na receita. Em Viamão, são 13%. Em Canoas, o orçamento indica contração de 10%.  

— Nosso desejo é a prosperidade e vamos trabalhar para isso, mas o cenário é de dificuldades. O orçamento de 2020 foi de R$ 2,25 bilhões e agora é de R$ 1,9 bilhão. É uma queda considerável — afirma o prefeito de Canoas Jairo Jorge.

Além de ações para estimular a recuperação da economia, como a desburocratização de processos e a atração de empresas, estão no radar dos mandatários planos para reduzir gastos, melhorar a capacidade de arrecadação e reforçar a cobrança de devedores.

Mesmo nos municípios onde há previsão de aumento de receitas, como Porto Alegre, Pelotas e Caxias do Sul, os gestores reconhecem que será um ano desafiador. Em parte, porque não há sinais de que o apoio financeiro do governo federal, que fez toda a diferença em 2020, voltará a se repetir em 2021.

Na Capital, o secretário da Fazenda Rodrigo Fantinel já trabalha com a perspectiva de cortes. Ele tem dúvidas se será possível, de fato, atingir a cifra orçada para este ano, que supera em 7,5% a previsão feita em 2020. 

— A avaliação é de que o valor foi superestimado. A gente vai ter de contingenciar despesas — sintetiza Fantinel (leia a entrevista completa).

Ao menos até que a covid-19 esteja sob controle, pondera o economista François Bremaeker, do Observatório de Informações Municipais, a saída será pisar no freio. Bremaeker diz que os municípios de médio e grande porte são os mais afetados pela crise, não só porque dependem mais de ICMS e de ISS, impostos sobre o consumo, mas também porque são polos de saúde e acabam despendendo mais recursos na área. 

— Tudo vai depender do futuro da pandemia. Se o quadro piorar, como já está se vendo, será um ano muito complexo para os administradores municipais. Mesmo com a vacina, o efeito não será imediato — adverte o especialista.

A seguir, confira as perspectivas em cada uma das 10 maiores cidades do Estado, segundo prefeitos e secretários municipais.

Porto Alegre: desafio de aumentar receitas sem elevar impostos

Cesar Lopes / Prefeitura de Porto Alegre
Secretário da Fazenda Rodrigo Fantinel aposta no trabalho da Receita MunicipalCesar Lopes / Prefeitura de Porto Alegre

Em Porto Alegre, a Secretaria Municipal da Fazenda trabalha com a perspectiva de que o orçamento previsto para 2021, de R$ 8,6 bilhões, não irá se concretizar. Além de ser 7,5% acima do orçado em 2020, a cifra é 13% superior ao valor de fato arrecadado no ano passado.

Uma das razões para a avaliação é o fim do socorro federal, que injetou R$ 600 milhões na Capital no último semestre e que tende a não se repetir. A saída, na avaliação do novo secretário, Rodrigo Fantinel, é cortar gastos e apostar na eficiência da Receita Municipal, área da qual é oriundo. Isso inclui a reativação o programa da nota fiscal eletrônica em Porto Alegre e a aposta na autorregularização de contribuintes com atrasos junto ao Fisco. 

Leia a entrevista completa do secretário Rodrigo Fantinel.

Canoas: 55 medidas para a retomada

Alisson Moura / Prefeitura de Canoas
Jairo Jorge retomou o programa Prefeitura na Estação, para ouvir demandas da população e buscar soluçõesAlisson Moura / Prefeitura de Canoas

Com pendências financeiras de R$ 281 milhões herdadas da gestão anterior, o prefeito de Canoas Jairo Jorge projeta dificuldades em 2021. Segundo ele, a receita prevista é de R$ 1,98 bilhão, 10% abaixo dos R$ 2,2 bilhões projetados em 2020.

— Temos um cenário de adversidades, com quadro econômico difícil, e é a primeira vez, desde 2009, em que há retração, mas não adianta ficar olhando para trás. Vamos implantar um programa de retomada do desenvolvimento com 55 medidas — ressalta o gestor.

O prefeito promete, entre outras ações, desburocratizar a abertura de empresas, reduzir e simplificar exigências na área da construção civil, oferecer microcrédito a juro zero, agilizar a liberação de cerca de mil alvarás retidos durante a pandemia e buscar novos negócios.   

— A ideia é ajudar o empreendedor e aumentar a receita sem elevar impostos, como fiz nos meus mandatos anteriores, quando tripliquei a arrecadação — diz Jairo.

Santa Maria: aposta na volta às aulas

Rafael Happke / Divulgação UFSM
Com seus alunos, UFSM contribui para movimentar a economia localRafael Happke / Divulgação UFSM

Em Santa Maria, a projeção de receitas para 2021 foi calculada sobre valores de 2019, acrescidos da inflação. A expectativa é atingir R$ 855 milhões, abaixo do previsto em 2020 (R$ 870 milhões), mas acima do que acabou de fato entrando em caixa (R$ 830 milhões).

— 2020 foi atípico, não deve ser tomado como base. Além disso, Santa Maria tem características singulares, por isso estamos otimistas. A questão é qual será a velocidade da recuperação, se a passo de tartaruga ou de papa-léguas. Quanto mais rápido avançar a vacinação, melhor. Confiamos na volta às aulas no segundo semestre, que muda tudo, e não trabalhamos com a palavra déficit — diz o secretário de Finanças Mateus Frozza.

Um dos fatores que favorece a economia local é a presença de universitários, militares e  servidores públicos, capazes de mobilizar setores como comércio e serviços e atenuar o impacto da crise. 

Caxias do Sul: esperança na construção civil

Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Setor começa a dar sinais de reaquecimento na cidadeDiogo Sallaberry / Agencia RBS

O orçamento de Caxias do Sul para este ano prevê R$ 1,65 bilhão em receitas no Executivo, 4,88% acima do orçado em 2020. Na prática, aproxima-se do projetado em 2019, antes da crise do coronavírus.  

— Temos esperança na recuperação da economia e vamos usar todas as ferramentas de gestão para otimizar recursos e desburocratizar processos. Apostamos muito na construção civil, que já emite sinais de reaquecimento — diz o secretário da Receita Municipal Roneide Dornelles.

Apesar do otimismo, o diretor-geral da secretaria, Gilmar Santa Catharina, teme o impacto do fechamento das fábricas da Ford sobre o polo metal-mecânico e prevê maior demanda por serviços públicos. Prevê desafios. 

— O ano de 2020 foi extremamente duro, com investimento reduzido e muita contenção. Isso não se mantém para sempre — pondera Santa Catharina.

Gravataí: foco na reforma da Previdência

A previsão de receitas em Gravataí para 2021 (R$ 800 milhões) pouco muda em relação ao valor arrecadado em 2020. Descontando o auxílio do governo federal durante a pandemia, o secretário municipal da Fazenda Davi Keller Severgnini prevê 1% de aumento.

— Na prática, não prevemos redução em relação a 2020 nem tampouco incremento. Sem o aporte federal, vamos ter de arcar com as despesas. Vai ser um ano muito difícil. A economia precisa voltar a girar — avalia.

Na tentativa de ampliar a arrecadação, o secretário aposta em um convênio-piloto com o Banco do Brasil para a cobrança de dívida ativa (aquela que a prefeitura tem a receber) e no levantamento de ativos que possam ser vendidos. As medidas para reduzir gastos incluem uma proposta de reforma da Previdência dos servidores, a ser apresentada no primeiro semestre, e uma auditoria da folha de pagamento do município. 

Viamão: incentivos ao agronegócio

Comunicação PSDB Viamão / Divulgação
Prefeito Valdir Bonatto diz que Viamão deve voltar a apostar no setor agropecuárioComunicação PSDB Viamão / Divulgação

A prefeitura de Viamão decidiu revisar o orçamento que havia sido elaborado pela gestão anterior, reduzindo a projeção de receitas em 2021 de R$ 823 milhões para R$ 715 milhões. O valor também é 13% menor do que o previsto em 2020. 

— Essa crise não é setorial, é uma crise que atinge toda a cadeia produtiva e afeta muito a arrecadação. Optamos por não superestimar os números, mas esperamos conseguir uma receita semelhante à de 2020, a partir de medidas já enviadas à Câmara, que envolvem eixos de desenvolvimento — afirma o prefeito Valdir Bonatto. 

Entre as ações propostas, está a criação de um fundo para a melhoria de estradas e acessos, a abertura do parque municipal do agronegócio, destinado a receber empreendimentos, a instalação de uma central de comercialização de vendas para ajudar produtores rurais e a adoção do autolicenciamento.

Pelotas: esforço em inteligência fiscal 

Nauro Júnior / Agencia RBS
Prefeitura aposta em melhoria na arrecadaçãoNauro Júnior / Agencia RBS

Com perspectiva otimista, a Secretaria da Fazenda de Pelotas projeta aumento de 6,4% nas receitas consolidadas em relação a 2020, atingindo R$ 1,37 bilhão neste ano. Se isso se concretizar, serão R$ 82,3 milhões a mais em caixa. O secretário municipal da Fazenda Jairo da Silva Dutra aposta na retomada econômica e em medidas de inteligência fiscal para ampliar a arrecadação, mas reconhece que não será fácil superar os obstáculos.  

— Em 2020, no início da pandemia, me assustei bastante. Projetei queda de 20% a 30% na receita. Os recursos do governo federal ajudaram a reverter isso, assim como o auxílio emergencial, que fez girar a economia. Em 2021, o quadro de incertezas persiste, porém não daquele tamanho. Há um otimismo, uma expectativa de melhora. A partir daí, projetamos crescimento, mas teremos de monitorar mês a mês e, se a receita não acompanhar o projetado, será preciso pisar no freio — diz.

Novo Hamburgo: corte de despesas até o limite

Lu Freitas / Prefeitura de Novo Hamburgo
Fátima Daudt prevê leilões de bens inservíveisLu Freitas / Prefeitura de Novo Hamburgo

Em 2021, o orçamento da prefeitura de Novo Hamburgo será menor do que em 2020. A previsão é de queda de 2% a 9,04% nas receitas. A redução de 2% diz respeito ao valor total previsto, que deve ficar em R$ 1,32 bilhão. Já a diminuição de 9,04% envolve a arrecadação própria. O cenário preocupa a prefeita Fátima Daudt:

— Antes da pandemia, fizemos um trabalho de captação de empresas que trouxe bons resultados, como a vinda do Grupo Santander e previsão de 5 mil novos empregos, mas ainda assim o momento é de apreensão. Estamos cortando despesas até o limite, porque os serviços essenciais não podem parar.

Entre as medidas para tentar alavancar a arrecadação, Fátima aposta em leilões de bens inservíveis, que a prefeitura recebe em pagamento de dívidas (como imóveis e terrenos). Ela também defende que as associações de municípios pressionem o governo federal a revisar o pacto federativo e a manter repasses extras enquanto a pandemia não arrefecer.

São Leopoldo: combate à inadimplência

Diante do cenário incerto, a prefeitura de São Leopoldo projeta receita de R$ 1,1 bilhão em 2020, praticamente igual à de 2020, exceto pela reposição da inflação no período. A projeção leva em conta as dificuldades no caminho.

— É uma estimativa conservadora, mas a instabilidade da economia, agravada pelos efeitos do coronavírus e pelas dificuldades da vacinação, nos deixam em um cenário bastante delicado. Vai ser um ano muito difícil, com grandes incertezas — diz o secretário municipal da Fazenda Eduardo Peters.

Segundo o gestor, durante a pandemia, houve aumento de sete pontos percentuais na inadimplência do IPTU. A intenção, passado o auge da crise, é procurar os devedores para que regularizem a situação junto ao Fisco. O mesmo vale para a cobrança da dívida ativa, que teve uma trégua nos meses de maior impacto nas atividades econômicas.

Rio Grande: redução nos gastos com custeio

Galileu Oldenburg / Sdect Divulgação
Fábio Branco planeja “pisar no freio” nas despesas e estimular novos negóciosGalileu Oldenburg / Sdect Divulgação

À frente da prefeitura de Rio Grande, Fábio Branco se prepara para um primeiro ano de gestão com redução de 17% nas receitas orçadas para o poder Executivo, estimadas em R$ 641,2 milhões. 

— O município tem problemas estruturais, gasta quase 53% da receita com pessoal (acima do limite prudencial definido por lei) e já enfrentava dificuldades antes da pandemia. Vamos entrar com o freio de mão puxado, trabalhar para diminuir o custeio e ampliar as receitas próprias. Também precisamos melhorar o ambiente de negócios, reduzir a burocracia e nos aproximar do governo do Estado para usar melhor o porto — afirma Branco.

O secretário municipal da Fazenda Christian Küster aposta ainda na reestruturação de contratos e na atualização da planta do IPTU, sem aumento de alíquotas, mas com a revisão de áreas construídas. Küster pretende reforçar o controle sobre contribuintes que tentam burlar o sistema para não pagar impostos.

*GauchaZH

Continue Lendo

Notícias e Comentários do Locutor de Rádio

Aluna de autoescola é reprovada após derrubar muro durante prova

Postado

em

Uma aluna, que tentava tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), derrubou um muro durante a prova de direção, com o carro da autoescola. O acidente aconteceu na última quarta-feira (13), na cidade de Ibatiba, no Sul do Espírito Santo.

Além da condutora do automóvel, dois avaliadores do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-ES) estavam junto. De acordo com testemunhas, o carro perdeu o controle, caiu em um barranco e acabou atingindo o muro de um depósito de gás.

Apesar do grande susto, ninguém ficou ferido. Além do prejuízo material, avaliado em aproximadamente R$ 10 mil, a aluna teve a triste notícia da reprovação. Segundo o Detran, acidentes na prova de direção são eliminatórios. 

(R7)

Continue Lendo

Notícias e Comentários do Locutor de Rádio

Acidente com ônibus deixa 12 mortos e nove feridos na BR-376, em Guaratuba/PR, diz PM

Postado

em

Um acidente com um ônibus na BR-376, em Guaratuba, no litoral do Paraná, deixou 12 mortos e nove feridos na manhã desta segunda-feira (25), segundo o Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA).

A batida aconteceu na altura do km 668, no trecho conhecido como Curva da Santa, por volta das 8h30, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Acidente na BR-376, em Guaratuba, deixou mortos e feridos — Foto: Arquivo pessoal/Juliano Neitzke

Acidente na BR-376, em Guaratuba, deixou mortos e feridos — Foto: Arquivo pessoal/Juliano Neitzke

De acordo com o BPMOA, as informações iniciais indicam que, além das 12 mortes, cinco pessoas foram socorridas em estado grave, e outros quatro passageiros tiveram ferimentos moderados.

Ambulâncias e helicópteros dos bombeiros do Paraná e de Santa Catarina socorreram os feridos e encaminharam as vítimas para Curitiba e Joinville.

Batida aconteceu na pista que leva ao litoral catarinense — Foto: Arte/G1

Batida aconteceu na pista que leva ao litoral catarinense — Foto: Arte/G1

O ônibus, com placa de Belém, no Pará, descia a Serra do Mar em direção ao litoral catarinense quando bateu na mureta de contenção, saiu da pista e tombou às margens da rodovia.

Segundo a PM, 57 passageiros e dois motoristas estavam no ônibus no momento do acidente.

Ônibus saiu da pista e tombou, em Guaratuba — Foto: Arquivo pessoal/Juliano Neitzke

Ônibus saiu da pista e tombou, em Guaratuba — Foto: Arquivo pessoal/Juliano Neitzke

Os feridos foram levados a hospitais de Curitiba e Joinville.

De acordo com a Arteris Litoral Sul, que administra o trecho, a pista está bloqueada para atendimento do caso. às 10h30, a fila de veículos era de quatro quilômetros.

*Esta reportagem está em atualização

Ônibus sai da pista na Curva da Santa, em Guaratuba, e deixa mortos e feridos — Foto: Divulgação/BPMOA

Ônibus sai da pista na Curva da Santa, em Guaratuba, e deixa mortos e feridos — Foto: Divulgação/BPMOA

*G1

Continue Lendo

Talvez interesse

Secured By miniOrange