Quatro policiais uruguaios forneceram 423 armas para criminosos do RS em cinco anos

Notícias e Comentários do Locutor de Rádio

Xandi era um dos principais traficantes do RS

 

Aneli admitiu que fazia a segurança de Xandi

Fuzis em armário da rodoviária

A Polícia Civil desconfiou dos policiais uruguaios quando os nomes surgiram nos “grampos telefônicos”. Avisou a DNII do Uruguai, que começou a rastrear compras feitas pelos agentes do país vizinho.

O que ocorre na fronteira é transferência de mercadorias e serviços: transporte de drogas, armas e encomenda de execuções.

EDUARDO FINN

Delegado que indiciou 70 por tráfico de drogas e armas

Com base nas escutas da Polícia Civil e posterior rastreamento das armas no Brasil, feito pela PF, a DNII prendeu os três policiais, em 2015. Ficou comprovado que, do total de 353 armas adquiridas pelos três agentes, 344 são de calibre restrito no Brasil (veja o gráfico abaixo). Mesmo assim, a maioria foi parar no Rio Grande do Sul, conforme informações dos uruguaios à PF. Pior: dessas armas, 21 são fuzis, com alto poder de destruição, preferidos das facções.

O agente Castrillón, por exemplo, foi seguido em 24 de novembro de 2014 pelos colegas policiais de Montevidéu até Rivera, onde guardou fuzis num depósito na rodoviária. Retirou o material e entregou ao contrabandista.

Pereira foi filmado com bolsas carregadas de fuzis, saindo de uma casa de armas em Montevidéu. Nas contas bancárias, foram rastreadas movimentações de milhares de dólares, incompatíveis com salários.

Os três policiais admitiram ter revendido as armas, mas argumentaram não saber que os compradores eram bandidos. O trio foi condenado por tráfico internacional de armas e ficou menos de dois anos preso. Está em liberdade condicional desde 27 de abril de 2017. No Brasil, não pode se arriscar: está indiciado por contrabando e corre risco de condenação.

Veja Mais:  VÍDEO DO DIA: Vantagens e desvantagens em ter um carro elétrico no Brasil (12-04-2021)

Além dos três já mencionados, um quarto agente uruguaio, não relacionado com o trio e radicado na Barra do Chuí, foi detido pela PF. Ele teria comercializado 70 armas, entre fuzis e pistolas, revendidas no RS. Somado ao arsenal do trio, o total de armas de uruguaios rastreadas no submundo do Estado soma 423.

Contrapontos

O que disse o policial Juan Morales Castrillón:

Na Justiça, declarou ter comprado legalmente as armas para revendê-las e admitiu saber que o comprador era relacionado a narcotraficantes brasileiros. Ele disse que tentou desistir das compras, mas foi ameaçado.

O que disse o policial Washington Oribe Rodriguez Pereira:

Na Justiça, admitiu ter feito compras de armas em Montevidéu para um conhecido quadrilheiro e contrabandista uruguaio. Ele nega ter feito contrabando.

O que diz Juan José Arocena Fernandez:

A defesa não foi localizada. Em juízo, admitiu que comprava armas, mas não sabia que seriam revendidas a criminosos.

*zerohora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.